Estudos científicos sobre adoção

Esta página tem por objetivo aproximar o leitor-pesquisador ou estudioso do tema para os estudos científicos realizadas sobre a Adoção. Estamos realizando o refinamento de buscas nas principais bases de dados nacionais e latino-americanas para oferecermos como contribuição, uma síntese, por assuntos, do que tem sido mais pesquisado e com maior relevância técnico-cientifica para o Estado da Arte da Adoção no país.

Os primeiros artigos relacionados aqui são resultado de um levantamento preliminar realizado pela Dra. Marlizete Maldonado Vargas, que realizou um levantamento das publicações cientificas sobre adoção no período de 2010 a 2020.

Neste estudo foram incluídos trabalhos concernentes ao tema usando-se os descritores: adoção, Integração, família, processos de adoção, procedimento psicossociais/adoção, sem restrição de idioma, mas produzidos no Brasil. Após uma primeira triagem do material recolhido em quatro principais bases de dados encontrou-se: Medline (680) Lilacs (125) e Scielo (15)

Após retirados os vários artigos repetidos ou que não tratavam especificamente do tema de adoção de crianças e adolescentes, foram incluídos 34 artigos Lilacs, 04; Medline, 28; Scielo, 2.

Os assuntos mais estudados nas publicações científicas do período levantado foram reflexões teóricas gerais sobre o instituto da adoção e cultura da adoção, Homoparentalidade, a relação entre configurações familiares e vinculação afetiva, conforme quadro que segue:

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Principais artigos que tratam da integração familiar como objetivo do estudo:

 

Título: ADOÇÃO E PREPARAÇÃO INFANTIL NA PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO JUIZADO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE DE BELÉM/PA

 

Autores: CONTENTE, Suellen Reis; CAVALCANTE, Lilia Iêda Chaves; SILVA, Simone Souza da Costa. 2013

Resumo: 

O presente artigo discute como vem sendo desenvolvida e/ou como poderia ser realizada a preparação

para adoção de crianças institucionalizadas na visão de analistas judiciários da 1ª Vara da Infância e Juventude

de Belém. Participaram da pesquisa cinco assistentes sociais, duas psicólogas, duas pedagogas e

uma socióloga. Os resultados obtidos por meio da aplicação de questionário mostraram que há consenso

entre esses profissionais de que a preparação de crianças que vivem em instituições de acolhimento pode

contribuir sob vários aspectos para que a adoção tenha êxito, particularmente ao prevenir ou minimizar

o sentimento de medo diante da necessidade de se adaptar a um novo contexto familiar. Os participantes,

em sua maioria, declararam até o momento não se sentirem capacitados para atuar na preparação

de crianças como rege a Lei 12.010/2009. Alegam que a exigência legal da preparação infantil gerou

uma demanda nova em termos profissionais, o que pode estar dificultando a elaboração de estratégicas

metodológicas adequadas a um trabalho interdisciplinar com a atuação integrada de órgãos do judiciário

e instituições de acolhimento. Nesta pesquisa, a preparação foi reconhecida como um conjugado de

estratégias interventivas que deve permitir à criança visualizar por que e como seria seguro viver em

outra família. Entre as mais citadas, além do trabalho em equipe interdisciplinar, a preparação concomitantemente de pais e filhos para adoção, o domínio de informações que os orientem nesse processo, e procedimentos que visam o envolvimento das crianças e suas histórias de vida de forma lúdica foram citadas frequentemente.

 

Palavras-chave: Adoção, criança institucionalizada, preparação para adoção.

Disponível emhttp://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_isoref&pid=S1413-389X2013000200002&lng=es&tlng=pt

 

 

Título: A DELICADA CONSTRUÇÃO DE UM VÍNCULO DE FILIAÇÃO: O PAPEL DO PSICÓLOGO EM PROCESSOS DE ADOÇÃO

Autores: ALVARENGA, Lidia Levy de; BITTENCOURT, Maria Inês Garcia de Freitas. 2013.  

Resumo:

O trabalho propõe uma reflexão crítica sobre questões envolvidas no processo de adoção. Tomam-se como bases teóricas diversas pesquisas contemporâneas sobre as consequências do abrigamento no processo de subjetivação da criança, assim como estudos sobre sua inserção em família substituta. Através das contribuições de Winnicott, busca-se compreender o processo de maturação da criança abrigada, em suas relações com o ambiente. O papel do Psicólogo como intermediário no estabelecimento das relações entre os futuros pais e a criança a ser adotada é destacado como de grande importância. Um caso de adoção mal sucedido é apresentado como exemplo da necessidade do trabalho do psicólogo.

Palavras-chave: Adoção, Abrigamento, Narcisismo, Idealização, Mediação.

 

Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2013000100005

 

Título: RECUPERAÇÃO DESENVOLVIMENTAL APÓS A ADOÇÃO: CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA E DA FAMÍLIA ADOTIVA

Autores: BAPTISTA, Joana; SOARES, Isabel; HENRIQUES, Margarida. 2013

Resumo:

Clínicos e investigadores têm alertado para os efeitos problemáticos das experiências precoces adversas, nomeadamente a da institucionalização, no crescimento físico, no desenvolvimento cognitivo e sócio-emocional, bem como nas relações de apego da criança. Após a adoção, a recuperação nestes domínios parece ser evidente, observando-se uma curiosa heterogeneidade nos resultados desenvolvimentais. Este artigo de revisão apresenta uma sistematização de resultados de estudos que analisaram a influência das características da criança e da família adotiva naquela recuperação. Pesquisou-se nas principais bases de dados eletrônicas e foram identificados estudos originais, de revisão e capítulos de livros. Concluiu-se que um entendimento da recuperação exige a exploração dos fatores genéticos, das experiências pré-natais e pré-institucionalização, e das vivências de cuidados anteriores e posteriores à adoção.

Palavras-chave: Desenvolvimento; adoção; criança; família.

Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-79722013000200020&script=sci_abstract&tlng=pt

 

 

 

Título: TRABALHO INTERPROFISSIONAL EM FÓRUNS: SUA IMPORTÂNCIA NOS CASOS DE ADOÇÃO

Autores: TIBOLA Vanessa Brandalise, KEMMELMEIER Verônica Suzuki

Resumo:

A adoção é um tema muito referenciado na atualidade em vários âmbitos, porém as equipes interdisciplinares são somente citadas e há poucos estudos específicos sobre este tema. Diante da importância do trabalho desenvolvido pelas equipes, este estudo foi realizado no intuito de esclarecer como é o trabalho das equipes na Vara da Infância e da Juventude de três Fóruns de cidades de médio porte do Estado do Paraná bem como sua importância. Esta pesquisa qualitativa utilizou-se da entrevista semiestruturada e de um questionário de formação acadêmico profissional para realizar o levantamento dos dados. Estes foram submetidos a uma análise de conteúdo e após algumas leituras chegou-se a três grandes tópicos contendo as principais categorias definidas desenvolvimento do trabalho em equipe; funcionamento do trabalho em equipe e percepções do trabalho em equipe. Conclui-se que, além de ser de extrema importância a composição desta equipe que é formada por Psicólogos e Assistentes Sociais, o relacionamento interno e a estruturação do trabalho fazem a diferença no processo de adoção.

Palavras-Chave: Criança , Adoção , Pessoal de Saúde , Família , Criança  

Disponível em:  https://periodicos.pucpr.br/index.php/psicologiaargumento/article/view/20451/19711

 

 

 

Título: DIFERENTES CONFIGURAÇÕES FAMILIARES DE CANDIDATOS À ADOÇÃO: IMPLICAÇÕES PARA OS PROCESSOS DE HABILITAÇÃO

Autores: SILVA, Patricia Santos da; SILVA, Eduarda Xavier de Lima e; LOPES, Rita de Cássia Sobreira  e  FRIZZO, Giana Bitencourt. 2017.

 

Resumo:

Novas formas de exercício da parentalidade gradativamente conquistam reconhecimento na sociedade e embora não seja uma prática recente, a adoção é vista mais frequentemente como opção às famílias. Assim, este estudo investigou a visão dos técnicos judiciários sobre a habilitação de novos perfis de candidatos e identificou diferenças nas avaliações. Foram entrevistados 17 psicólogos e assistentes sociais que realizavam avaliações de candidatos à adoção no sul do Brasil. A análise de conteúdo das entrevistas mostrou diferenças nas avaliações nos temas: divisão de papéis em casais homossexuais, rede de apoio em famílias monoparentais, projeto adotivo comum nos recasamentos e distanciamento geracional para os idosos. Percebeu-se preocupação com as crianças adotivas, mas alguns relatos retrataram valores ligados a concepções biológicas de família. Pensa-se que as várias configurações familiares apresentam desafios aos profissionais. Portanto, ressalta-se a importância de que os profissionais conheçam essas questões para combater preconceitos e reinventarem novos modos de atuação.

Palavras-chave: adoção; família; parentalidade.

Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-294X2017000400008

 

 

Título: VIVENCIANDO UMA OFICINA PREPARATÓRIA PARA ADOÇÃO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Autores:  CECILIO, Mariana Silva; HUEB, Martha Franco Diniz  and  FARINELLI, Marta Regina. 2018

Resumo:

O presente relato de experiência objetivou compreender como pretendentes à adoção vivenciaram a preparação para adoção, a partir de grupos reflexivos. Participaram das Oficinas Preparatórias dez casais, dos quais sete estavam inscritos no Cadastro Nacional, passando pelas vicissitudes do processo, e três já conviviam com as crianças que pretendiam formalizar a adoção. Dos resultados encontrados, destaca-se que diversas motivações foram elencadas, bem como puderam ser evidenciados alguns medos e dúvidas quanto à revelação para a criança sobre a sua origem, denunciando certa insegurança dos pretendentes. Questões como o vínculo de confiança a ser construído na relação foram trabalhadas, além da importância de um acompanhamento pós-adoção, a fim de auxiliar pais e filhos em possíveis desafios durante a convivência.

 

Palavras-chave: adoção; curso preparatório; adotantes; grupo; relato de experiência.

Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-29702018000200008&lng=en&nrm=iso